Valor do décimo terceiro (13º) do Bolsa Família será o mesmo que você recebe atualmente

Autor: Redação

Publicada em


Valor do décimo terceiro (13º) do Bolsa Família será o mesmo que você recebe atualmente
Valor do décimo terceiro (13º) do Bolsa Família será o mesmo que você recebe atualmente – Foto: Reprodução

Valor do décimo terceiro (13º) do Bolsa Família será o mesmo que você recebe atualmente.

O atual presidente da república, Jair Bolsonaro (PSL), já confirmou o pagamento do décimo terceiro (13º) salário às famílias beneficiárias do Bolsa Família, proposta que fazia parte de sua lista de promessas de campanha em 2018. A medida vai entrar em vigor já no fim deste ano. Atualmente, cerca de 13 milhões de famílias recebem o benefício – a maior parte, cerca de 7 milhões, está no Nordeste.

Depois, a maior concentração de beneficiários está no Sudeste, no Norte, no Sul, e, por último, no Centro-Oeste.

Segundo Bolsonaro, os gastos extras do benefício – estimados em R$ 2,5 bilhões – viriam do combate a fraudes no programa. Medida Provisória assinada pelo presidente em janeiro previa aumento na fiscalização de beneficiários do INSS e o corte de isenções tributárias a pessoas com doenças graves que não passaram por perícia médica.

Décimo Terceiro (13º) do Bolsa Família 2019

O valor do décimo terceiro (13º) do Bolsa Família será o mesmo que você recebe atualmente. Por exemplo, se você recebe R$ 205,00 mensal, irá receber mais R$ 205, totalizando R$ 410,00. Esse pagamento já está com datas confirmadas e você poderá sacar o dinheiro na Caixa Econômica Federal.

Conforme falamos acima, o recebimento do 13º será em dezembro. O pagamento será feito de acordo com o último número do NIS impresso no Cartão Bolsa Família.

Por exemplo: para um cartão com NIS terminado em 4, o saque poderá ocorrer a partir do quarto dia do calendário de pagamento, conforme datas abaixo:

Datas de pagamento do Décimo Terceiro (13º) do Bolsa Família:

  • 1 – Final do NIS 1 – Pagamento em 10/12

  • 2 – Final do NIS 2 – Pagamento em 11/12

  • 3 – Final do NIS 3 – Pagamento em 12/12

  • 4 – Final do NIS 4 – Pagamento em 13/12

  • 5 – Final do NIS 5 – Pagamento em 16/12

  • 6 – Final do NIS 6 – Pagamento em 17/12

  • 7 – Final do NIS 7 – Pagamento em 18/12

  • 8 – Final do NIS 8 – Pagamento em 19/12

  • 9 – Final do NIS 9 – Pagamento em 20/12

  • 0 – Final do NIS 0 – Pagamento em 23/12

Calendário de pagamento 2019

Os benefícios do Bolsa Família são pagos mensalmente, seguindo um calendário nacional. O calendário determina as datas para saque de acordo com o último número do NIS (Número de Identificação Social) impresso no Cartão Bolsa Família. Por exemplo: para um cartão com NIS terminado em 2, o saque poderá ocorrer a partir do segundo dia do calendário oficial de pagamentos.

Calendário de pagamento para o mês de outubro:

1 – Final do NIS 1 – Saque em 18/10

2 – Final do NIS 2 – Saque em 21/10

3 – Final do NIS 3 – Saque em 22/10

4 – Final do NIS 4 – Saque em 23/10

5 – Final do NIS 5 – Saque em 24/10

6 – Final do NIS 6 – Saque em 25/10

7 – Final do NIS 7 – Saque em 28/10

8 – Final do NIS 8 – Saque em 29/10

9 – Final do NIS 9 – Saque em 30/10

0 – Final do NIS 0 – Saque em 31/10

Cada valor fica disponível para saque por 90 dias a partir da data prevista no calendário. O benefício de outubro, por exemplo, pode ser sacado até o mês de janeiro de 2020. Portanto, o calendário de pagamentos está disponível em versão digital no site da CAIXA (www.caixa.gov.br) .

CALENDÁRIO COMPLETO – Bolsa Família 2019 

Valor de pagamento do Décimo Terceiro do Bolsa Família deve ser proporcional
Calendário Bolsa Família 2019 com datas de pagamento do Décimo Terceiro (13º)

Como começou o Bolsa Família?

Lançado como uma unificação de programas sociais, o programa foi anunciado, em outubro de 2003, para acabar com a fome no País “em três anos”, nas palavras do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele dizia, naquela época, que o projeto teria benefícios “para a classe média”, já que serviria também para reduzir a criminalidade. Em seu lançamento, o plano é que 7 milhões de famílias fossem atendidas.

O Bolsa Família foi resultado da fusão de quatro programas de transferência de renda: bolsa escola, bolsa alimentação, auxílio-gás e auxilio alimentação, herdados da gestão Fernando Henrique Cardoso. Sua função é transferir renda para pessoas em situação de pobreza ou extrema pobreza, ou seja, aquelas com renda mensal de até R$ 89 por pessoa. Caso haja gestantes, crianças ou adolescentes na família, a renda mensal limite sobe para R$ 178 por integrante.

Critérios

Para usufruir do Bolsa Família, é preciso atender critérios de educação e saúde. As crianças de 6 a 15 anos devem estar matriculadas em escolas e terem pelo menos 85% de frequência. Além disso, é necessário que as gestantes façam exames pré-natal e que haja acompanhamento da saúde de crianças de até sete anos, com atualização das carteiras de vacinação.

Críticas

Após seu lançamento, no primeiro mandato de Lula, o Bolsa Família enfrentou críticas. A mais comum dizia que o programa “não oferecia portas de saída” para seus beneficiários, sendo uma medida permanente e não emergencial. Opositores também criticavam o ex-presidente dizendo que o programa supostamente traria vantagens eleitorais e que a pobreza e a miséria deveriam ser resolvidas com o dinamismo da economia e não com assistencialismo.

Um ano após seu lançamento, reportagem do Estado mostrava que havia denúncias de inclusão irregular de beneficiários. Portanto, o problema persistiria nos próximos anos. Em resposta a essas e outras críticas, o ex-presidente minimizava eventuais erros e dizia que o Bolsa Família era “o maior programa de transferência de renda do planeta”.

“Como a gente pode esperar que uma criança que não toma café da manhã seja inteligente, se ela levanta e vai dormir com a lombriga menor querendo comer a maior? Dê comida para essa criança, para chegar a uma escola”, disse o ex-presidente um evento em 2009.

Naquele ano, o número de famílias no programa chegava a 11 milhões.