Emprego: Bahia fecha julho com mais demissões que admissões

Autor: N1 BAHIA

Publicada em


Emprego: Bahia fecha julho com mais demissões que admissões
Emprego: Bahia fecha julho com mais demissões que admissões – Foto: Reprodução

 

Emprego: Bahia fecha julho com mais demissões que admissões.

De acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), a Bahia encerrou 2.275 postos de trabalho com carteira assinada em julho de 2019. O resultado decorre da diferença entre 50.878 admissões e 53.153 desligamentos.

A Bahia voltou a exibir registro negativo para julho, após dois anos de saldos positivos no referido mês. O resultado ficou abaixo do verificado no mês de junho, quando 2.362 postos de trabalho foram criados, sem as declarações fora do prazo. Todavia, no acumulado dos sete primeiros meses do ano, o estado ainda é destaque na geração de posições celetistas no Nordeste.

Setorialmente, em julho, quatro segmentos contabilizaram saldos negativos: Agropecuária (-1.940 postos); Comércio (-1.301 postos); Serviços (-1.297 postos) e Extrativa Mineral (-14 postos). Por outro lado, quatro setores registraram saldo positivo: Indústria de Transformação (+1.096 postos); Construção Civil (+681 postos); Administração Pública (+405 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (+95 postos).

No acumulado do ano, sete setores de atividades registraram saldos positivos: Construção Civil (+10.745 postos), Serviços (+7.856 postos), Agropecuária (+6.288 postos), Indústria de Transformação (+4.851 postos), Administração Pública (+819 postos), Extrativa Mineral (+511 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (+343 postos). Em contrapartida, Comércio (-3.357 postos) apresentou saldo negativo.

Análise regional

Em relação ao saldo de postos de trabalho, a Bahia (-2.275 postos) ocupou a nona posição dentre os estados nordestinos e a vigésima quarta dentre os estados brasileiros em julho de 2019. No Nordeste, além da Bahia, mais dois estados encerraram postos com carteira assinada: Sergipe (-443 postos) e Pernambuco (-96 postos). Os outros seis estados da região apresentaram desempenho positivo: Paraíba (+1.870 postos); Alagoas (+1.470 postos); Ceará (+890 postos); Rio Grande do Norte (+788 postos); Piauí (+353 postos) e Maranhão (+25 postos).

Acumulado do ano

Nos sete primeiros meses do ano, a Bahia gerou 28.056 novos postos de trabalho, levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo. Este resultado fez com que a Bahia ocupasse a sexta posição no país e a primeira na região nordestina quanto à geração de empregos. No Nordeste, apenas a Bahia, o Maranhão (+6.109 postos) e o Piauí (+519 postos) totalizaram saldos positivos. Em contrapartida, seis estados nordestinos totalizaram acumulados negativos. Pernambuco (-23.806 postos) foi seguido por Alagoas (-22.737 postos); Ceará (-5.951 postos); Paraíba (-5.645 postos); Rio Grande do Norte (-4.384 postos) e Sergipe (-3.856 postos).