Salvador tem o 7º trânsito mais lento do mundo

Salvador foi listada como a sétima cidade do mundo onde os motoristas mais perdem tempo no trânsito.

Autor: A Tarde

Publicada em


Salvador foi listada como a sétima cidade do mundo onde os motoristas mais perdem tempo no trânsito. O levantamento, feito pela fabricante holandesa de GPS e inventora do equipamento TomTom, inclui outros nove municípios brasileiros.

Na capital baiana, segundo a pesquisa, motoristas perdem, em média, 160 horas no trânsito por ano – o que representa 42 minutos por dia. Já no Rio de Janeiro, o tempo perdido anualmente é de 165 horas – equivalente a 43 minutos diários.

A capital fluminense é a única cidade brasileira que supera Salvador no ranking. O município do Sudeste aparece em quarto lugar na lista mundial e lidera a nacional. Recife (PE), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Brasília (DF) e Curitiba (PR) também aparecem no levantamento, nesta ordem.

No ranking mundial, a Cidade do México (México) é líder. Lá, mexicanos passam no trânsito 59% de tempo a mais do que o necessário para a finalização do percurso. Em Bangcoc (Tailândia), segunda colocada da lista, esse excesso é de 57%.

Já em Istambul (Turquia), posicionada no 3º lugar, os motoristas passam no trânsito 50% de tempo a mais que o necessário para a conclusão do trajeto.

Critérios

Para ranquear as 295 cidades (38 países) incluídas no projeto, os pesquisadores tiveram que definir parâmetros de comparação, afirma o diretor de Operações da TomTom na América Latina, Marcelo Fernandes.

Ele explica que 14 trilhões de informações anônimas – colhidas nos aparelhos de GPS instalados pela empresa e em aparelhos de rastreamento de frota veicular – serviram para criar dois grupos de dados.

O primeiro considera o tempo de viagem entre 22h e 5h, onde o trânsito costuma ser livre, e o outro leva em conta o tempo de locomoção entre 5h01 e 21h59, período de concentração dos congestionamentos.

“A partir daí, fomos comparando os dados e vendo quanto tempo o motorista gasta em um cenário ideal (das 22h às 5h) e quanto ele realmente gastou durante congestionamentos (das 5h01 às 21h59)”, afirma.

Com isso, foi constatado, por exemplo, que em 2015 os soteropolitanos ficaram 43% de tempo a mais no trânsito do que o necessário para completar os trajetos percorridos. Na cidade do Rio de Janeiro, esse número foi de 47% ano passado.

Evolução

Apesar de colocar a capital baiana em uma posição desconfortável nos rankings nacional e mundial, o número é menor do que o registrado em 2014, quando os soteropolitanos perderam 46% de tempo em locomoção dentro de Salvador.

Esse aspecto foi frisado pela Superintendência de Trânsito (Transalvador), ao ser procurada pela equipe de A TARDE para comentar o resultado da pesquisa.

Em nota oficial, o órgão municipal defendeu que “os resultados demonstram o esforço da gestão da Transalvador para a melhoria do tráfego no que lhe compete”. A superintendência também listou avanços na fluidez do tráfego de algumas áreas da capital baiana consideradas críticas para a locomoção, como a avenida Suburbana, a região do Iguatemi e a avenida Paulo VI.

“Acrescentamos que a autarquia vem atuando pontualmente em casos considerados ‘crônicos’ e que a melhora da mobilidade no contexto geral da cidade não depende unicamente de requalificação da geometria viária, mas de novos modais de transporte”, pontuou o órgão no comunicado.