Duas reuniões serão decisivas para o destino da Greve dos Rodoviários

Autor: iG

Publicada em


Duas reuniões entre o Sindicato dos Rodoviários e o Setps-Sindicato das Empresas serão decisivas, hoje, para evitar que os trabalhadores entrem em greve amanhã. A primeira delas acontece às 8h no MT-Ministério do Trabalho, na Avenida Sete, e a segunda às 10h, no MP-Ministério Público, em Nazaré.

A categoria, em âmbito estadual, reivindica 18% de reajuste, incluída a reposição da inflação de 9,83%. Conforme o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Hélio Ferreira, “os empresários do setor de transporte apresentaram como contraproposta o adiamento do reajuste para novembro, mas sem mencionar qualquer percentual”.

As negociações já se estendem a mais de 60 dias. Uma assembleia geral dos rodoviários está programada para as 15h, na quadra do Sindicato dos Bancários, nas Mercês, quando serão apresentados os resultados das duas reuniões mediadas pelo poder público. Ferreira adiantou que “se não houver uma contraproposta digna por parte dos patrões, e considerando que todos os esforços se esgotaram, a categoria deflagrará a paralisação por tempo indeterminado  e a capital já amanhecerá sem transporte a partir de amanhã”. A greve pode envolver 22 mil rodoviários, entre os que atuam na área urbana, metropolitana, intermunicipal,  locadoras, turismo e fretamento, em todo o estado

COBRADORES
Hélio Ferreira disse que uma segunda proposta apresentada pelo Setps envolve a retirada dos cobradores dos ônibus, o que atingiria cerca de 5 mil trabalhadores e é apontada por ele como “inegociável, por envolver uma ampla questão social”. Conforme Jorge Castro, diretor de Relações Sindicais do Setps, os cobradores “sairiam da escala de trabalho nos domingos e feriados”, dias considerados de baixa demanda de passageiros. Castro alega “dificuldades das empresas em manter as escalas nesses dias em decorrência do grande número de horas extras”. Nesse caso, explicou, “os cobradores teriam folga e os motoristas assumiriam, também, a função deles”, mesmo admitindo que “esse tipo de situação nunca ocorreu antes”.

Novas propostas salariais apresentadas

Castro assegurou que novas alternativas de propostas salariais serão apresentadas nas reuniões marcadas para hoje. Ele se recusou a adiantar qualquer percentual, por entender que “não ficaria bem os trabalhadores terem a proposta pela Imprensa”. De todo modo, disse que “se não houver acordo e a greve for deflagrada, o sindicato das empresas requererá do Tribunal do Trabalho que determine a frota mínima a ser mantida em circulação”. Segundo ele, “não existe legislação que especifique isso. O tribunal é que decide o percentual de ônibus em circulação”.

Na última das três reuniões transcorridas no Ministério Público Estadual, os mediadores do MPE apresentaram proposta de 11,33% de reajuste salarial e mesmo percentual para o tíquete refeição com redução de 12% para 10% na cota de pagamento dos tíquetes pelos trabalhadores, mas os empresários rejeitaram a proposta. Os rodoviários reivindicam, ainda, passe livre para os aposentados, estimados entre 1.300 a 1.500 pessoas; garantia da permanência dos cobradores e a unificação do salário do pessoal da Manutenção que atualmente é diferenciado.

O secretário de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, segundo sua assessoria, “vem acompanhando pessoalmente as negociações em esforço para evitar a paralisação e participará das duas reuniões programadas para hoje pela manhã”. No caso de greve, conforme a Semob, é acionado o sistema de transporte complementar que dispõe de 300 microônibus. O quantitativo, contudo, é insuficiente para atender à demanda mínima de usuários da cidade.