“Kely Proibida” é morta com golpes de canivete na capital

Autor: Editado por N1 Bahia com informações do site Forte no Recôncavo

Publicada em


Nesta quinta-feira (01), Kely Ferreira, de 21 anos, foi encontrada morta, dentro da residência onde morava em Salvador. Kely estava desaparecida há vários dias. A família já estava procurando pela jovem há alguns dias.

A jovem era conhecida como “Kelly Proibida” e vendia rifas em bairros de Salvador. O crime pode ter motivação passional. O namorado da jovem é o principal suspeito. A vítima foi assassinada a golpes de canivete e a arma do crime foi colocada em cima do corpo dela.

1
“Kelly Proibida”

“Kelly Proibida” é natural do Bairro Sem Terra, em Muritiba, cidade localizada no Recôncavo Baiano.

O corpo da vítima foi removido ao Instituto Médico Legal (IML), Nina Rodrigues, na capital baiana. A Polícia Civil já está investigando o caso.

Nome semelhante ao de Kelly Cyclone

Em 2011, Kelly Sales Silva, de 22 anos, conhecida como Kelly Cyclone ou Kelly Doçura, foi assassinada a tiros e facada, no centro do município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. O corpo apresentava marcas de tiros nas costas e estava com ferimentos, o que indica, segundo a polícia, que Kelly pode ter sido vítima de espancamento. Seu corpo foi encontrado no centro da cidade, com um short e uma camisa da Seleção Argentina.

Testemunhas contaram que, por volta de 1h, um carro de cor escura parou próximo ao prédio da Previdência Social. Instantes depois, Kelly desceu correndo e sangrando na região abdominal – posteriormente foi constatado pela perícia uma lesão provocada por facada.

Em seguida, um homem disparou duas vezes de dentro do veículo, atingindo Kelly nas costas, que ainda cambaleia por dois metros antes de morrer em praça pública.

Kelly Sales Silva, de 22 anos, ficou conhecida após ser presa em fevereiro de 2010 na festa do pó, na Boca do Rio. Com inúmeras tatuagens – coelho da Playboy, de Chucky, o brinquedo assassino, um dragão que cobria toda a perna e um ‘Vida Loka’ no cóccix – não se intimidava em postar fotos segurando armas em seu perfil na rede social orkut.

Editado por Redação N1 Bahia com informações do site Forte no Recôncavo