Fique Ligado! Golpe no WhatsApp promete saque de FGTS inativo

Autor: iG

Publicada em


Golpe no WhatsApp se baseia em uma notícia falsa sobre um pagamento retroativo pela Caixa – Imagem: Reprodução

A Caixa Econômica Federal segue como uma das empresas usadas por cibercriminosos para atrair a atenção de usuários do WhatsApp e realizar golpes. Desta vez, a campanha maliciosa envolve uma suposta liberação do saque das contas inativas do FGTS .

Após diversos crimes relacionados à empresa, como o  falso pagamento de um 14º salário para os trabalhadores, a nova fraude disseminada no WhatsApp utiliza uma notícia falsa que circula nas redes sociais.

O golpe se baseia na informação falsa de que a Caixa realizaria um pagamento retroativo de R$ 1.760 relativo às contas inativas do FGTS. Segundo a ESET, empresa especializada na detecção de ameaças digitais e responsável por alertar sobre o golpe, a página da fraude já atingiu mais de 135 mil cliques. A empresa afirma que o golpe é praticamente idêntico às campanhas utilizadas anteriormente.

Isso porque os criminosos se concentram na quantidade de cliques realizados pelas vítimas. A estratégia pode envolver ganhos com publicidade e até mesmo com a inscrição dos números do celular em pacotes de mensagens SMS pagos. Para ter acesso à confirmação do suposto pagamento , os usuários precisam informar seus dados pessoais e compartilhar a informação com 5 amigos no aplicativos.

Para tornar o golpe mais realista, os criminosos também mostram falsos usuários e comentários no Facebook. De acordo com analistas da ESET, os cibercriminosos ainda tentaram impedir a análise do código da página. Após acessar o link por meio de um navegador de desktop e clicar com o botão direito do mouse para ver o código da página, a seguinte mensagem é apresentada: “Desculpa, mas por questão de segurança você não pode copiar o conteúdo”.

Como se proteger

Assim como em diversos golpes dentro do aplicativo de mensagens, não existe risco se você somente recebeu a mensagem. O problema ocorre quando as informações pessoais, como o número do telefone, por exemplo, são inseridas na página enviada pelos cibercriminosos. A principal dica é sempre desconfiar de qualquer tipo de promessa exagerada e checar se a informação é real por meio site oficial de determinado órgão do governo ou empresa.

Ao mesmo tempo, se você compartilha o link, mais pessoas ficam expostas à campanha maliciosa. Se este é o seu caso, entre em contato com quem recebeu a mensagem e informe que se trata de um golpe. A ideia é evitar que a mensagem continue sendo compartilhada dentro do WhatsApp. Se você preencheu algum formulário, entre em contato com sua operadora de telefonia e verifique se você foi cadastrado em algum pacote de mensagens pago indesejado. Por fim, confira se algum aplicativo desconhecido foi instalado em seu aparelho.