Feriadão: lentidão nas estradas e mar revolto no retorno à Salvador

Autor: Tribuna da Bahia

Publicada em


Com movimento intenso nas rodovias estaduais e federais, devido ao grande fluxo de veículos no sentido Salvador, chuva atrapalhando a visibilidade nas estradas e mar revolto gerando mal-estar em muitos passageiros que fizeram a travessia da Baía de Todos os Santos via ferry boat, milhares de baianos retornaram à capital depois de aproveitarem o feriadão proporcionado pelo São João, comemorado na sexta-feira, 24.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o ponto mais crítico durante a jornada de retorno, ontem, foi registrado na BR-101, na altura de Cruz das Almas, até a BR-324. O transito também andou lento na região de São Sebastião do Passé e o viaduto de Valéria, apresentando retenções próximas aos viadutos da BR-101 e de São Sebastião do Passé.

Segundo a Via Bahia, concessionária responsável pela administração da BR-324, o tráfego foi intenso entre o município de Santo Amaro e São Sebastião do Passé, assim como entre Amélia Rodrigues e São Sebastião, em ambas situações na direção de Salvador). “ Não foi uma boa viagem. De Cruz das Almas até aqui foram mais de oito horas de ônibus, num percurso que geralmente fazemos em quatro horas. Foi estressante! “, disse à Tribuna a secretária Francisca de Souza Fernandes, logo após desembarcar na Estação Rodoviária, por onde passam até o fim da tarde de hoje 1.700 ônibus extras disponibilizados para transportar a população no período das festas juninas.

Na Br-116, o tráfego apresentou retenção aproximada de 4 km na região de Santo Estevão, no sentido Feira de Santana, também por causa do número de veículos na pista. Alerta foi dado aos motoristas, conforme a concessionária, graças a baixa visibilidade provocada pelas chuvas na região entre a Brasil Gás e Águas Claras, em Salvador, e entre os Km 547 (Amélia Rodrigues) e Km 579 (São Sebastião Passé).

Já o movimento no sistema de transporte ferry-boat opera, desde ontem, com sete embarcações fazendo a travessia da Baía de Todos os Santos a cada meia hora, com fila de espera, em Bom Despacho, em média de três horas para carro e uma hora para pedestres. A Capitania dos Portos emitiu, no sábado, comunicado alertando as embarcações para a ressaca no mar, fato que acabou por suspender a operação das lanchas que operam entre Mar Grande e Salvador e superlotando as embarcações transportadoras também de veículos, que adotaram uma operação de segurança que consiste, ao longo de 24 horas, em transportar menos carros e numa velocidade menor, conforme informou a Internacional Travessias Salvador, administradora do sistema.

“O ferry veio muito cheio e o mar está muito agitado. Teve gente passando mal, vomitando, mas, no mais, tudo bem”, declarou ao desembarcar no Terminal de São Joaquim, na tarde de ontem, a estudante Ana Caroline Baraúna, procedente de Morro de São Paulo. “Eu fiquei muito tonta e vomitei. A embarcação estava jogando muito por causa das ondas”, revelou a colega Andressa Lourentini, confirmando que do outro lado da baía filas de pedestres e carros contornavam o terminal de Bom Despacho.