Cerca de mil famílias assinam contrato do Minha Casa, Minha Vida

Autor: N1 BAHIA

Publicada em


O dia foi de muita felicidade e realização de um sonho para 999 famílias de Salvador, que começaram a assinar o contrato residencial para os conjuntos Ceasa I e II, do Minha Casa, Minha Vida, localizados na Estrada do Bom Sucesso, na ligação CIA-Aeroporto. A cerimônia inicial foi realizada nesta quarta-feira (8), na Faculdade Unopar, no Parque Bela Vista, e contou com as presenças do prefeito ACM Neto; do secretário de Infraestrutura, Habitação e Defesa Civil (Sindec), Paulo Fontana; e da representante da Caixa Econômica, Marília Leal.

Do total, 700 beneficiários foram cadastrados pela Prefeitura, por meio da Sindec. Um deles é o aposentado Antônio Teixeira, de 72 anos. Ao lado da esposa Crispina e da filha Vilma, ele recebeu das mãos do prefeito o termo de recebimento do imóvel, onde vai morar com a esposa e um neto de cinco anos, que passaram a criar após a morte do pai, filho do casal. “Quanta alegria, meu Deus, é tudo de bom. Já moramos em um barraco que caiu com as chuvas, moramos muito tempo de aluguel e, agora, vamos receber nossa casa. Passamos muitas dificuldades e hoje estamos aqui”, relatou.

O prefeito ACM Neto salientou que uma das principais preocupações da atual gestão é proporcionar infraestrutura necessária às famílias dos conjuntos habitacionais, para que possam viver com conforto nas novas moradias. “A partir da entrega das chaves, que deverá acontecer na próxima semana, vamos iniciar logo o diálogo com a comunidade para elencar os serviços necessários, sendo que o transporte, a iluminação e a pavimentação serão resolvidos de imediato. Ao contrário das gestões anteriores, não vamos deixar as pessoas isoladas nesses conjuntos.”

Balanço – Somado às entregas de hoje, o Minha Casa, Minha Vida em Salvador soma 4.299 unidades habitacionais apenas em 2016. Está prevista ainda este ano a entrega de mais 888 unidades, distribuídas nos conjuntos Ceasa III, IV e V. Desde 2013, já foram garantidas 8.131 mil residências. O programa atende à população com renda familiar de até R$ 1.600 selecionados por meio de chamada pública ou pessoas residentes em situação de risco ou acometidas por desastres.